terça-feira, 8 de março de 2011

Apresentando-a

Ela nasceu de uma história bonitinha de amor. A mocinha tinha seus 16 anos e andava pelo bairro com a melhor amiga. Era magrinha e andava de shortinho curto, desfilando suas belas pernocas. O rapaz, já com seus 23 anos, era um belo moreno, muito belo mesmo, que andava de motocicleta pelo mesmo bairro que a mocinha. Um dia eles cruzaram seus olhares. E o rapaz se interessou pela bela menina. Aquela moça magrinha de belas pernas. Começaram a conversar com mais frequência e o interesse mútuo foi crescendo. Descobriram semelhanças. Tinham o mesmo nome. Namoraram. Andavam de motocicleta para todos os lados e estavam felizes e apaixonados. Mas a mocinha era MUITO ciumenta. Pudera, o moreno era belo, tinha uma boca carnuda, coxas grossas dignas de jogador de futebol, cabelos ondulados esvoaçantes e um corpinho de causar inveja às amigas da mocinha. E ele trabalhava bastante. Por vezes, passava na casa da moça só altas horas. E começava o interrogatório. Ela perguntava com quem estava, se estava com a "outra", porque passou na casa dela tão tarde, blá blá blá... E eles brigavam, se desentendiam, ele saía da casa dela roncando o motor da motocicleta... mas logo já estavam juntos de novo.
Três anos de namoro se passaram... e a moça descobriu que estava grávida! Ah, mas teve tanto desespero. O rapaz ficou atordoado. Emocionado, feliz, mas atordoado. Trabalhava, sim... mas ganhava pouco. Logo trataram de batalhar. Ela continuou seus estudos, mesmo grávida (anos depois descobrira na filha a mesma "veia" estudiosa da mãe). E ele, ousado como sempre foi (típico sagitariano, pra quem acredita em astrologia) largou o emprego fixo em que estava e foi à procura de algo melhor. Andou, andou pelas cidades, trabalhou nos empregos mais humildes, até que um dia falaram pra ele de um concurso de agente penitenciário que teria na cidade. E ele fez. E passou! Um emprego público, um ótimo salário. E a criança nasceu. De parto normal. Com 3,250g e 49cm. Uma menina! Morena e idêntica ao pai. E esse pai chorou, chorou, chorou. Sempre foi muito emotivo. Sim, o rapaz, que hoje é um homem feito, com seus 51 anos, é o HOMEM mais incrível que essa menina (hoje uma mulher de 25 anos) já viu. Essa menina cresceu, não teve tudo que quis, mas teve o necessário pra ser digna, pra ser humana, pra ter valores. Está longe de ser perfeita. Muuuuito, muito, muito longe. Mas teve uma base e o suficiente pra aprender a viver. E quer continuar aprendendo até o último dia de vida.
Prazer, Mirella de Oliveira, filha do Márcio e da Márcia. A imperfeita.
Depois te conto mais! ;)

Mi

2 comentários:

Anônimo disse...

A cara do pai e a veia estudiosa da mãe....Muito bem, finalmente um elogio para mim....Quando vc nasceu, mesmo antes quando eu estava grávida, mesmo sem saber se era menino ou menina, eu já te amava, e me sentia muito orgulhosa de ser "Mãe", vc sabe é um amor verdadeiro...Obrigada por vc nascer linda e perfeita....Sempre agradeço a Deus por isso....Vc se multiplicou em mais dois seres lindos e perfeitos e fez multiplicar o meu orgulhoso e a meu amor...Amo vocês demais.......Posso dizer que são meus tres filhos, e esse amor é bom de sentir, me fortalece e me orgulha muito....
Márcia-21-04-11

Michele P. disse...

Mi

E é por estas e outras que acredito em destino. Não creio em "para sempre". Não da forma como todos vêem. Acredito no amor eterno enquanto dura. Este parece ter sido o dos seus pais.
Pela tua história e pelo contato que estou tendo com você, tenho certeza de que você é fruto de muito amor, pois é uma pessoa humana, íntegra e de bom coração.
É um presente desfrutar de sua amizade!
Que sua vida seja sempre iluminada!

Um abraço