terça-feira, 26 de abril de 2011

Haveria, haveria...



Ela acordou de súbito, assustada e com a respiração ofegante. Tivera um sonho confuso. Confuso e lindo. Esforçou-se para alcançar o relógio em meio à escuridão do quarto: Três e 32 da manhã. Fechou os olhos e tentou adormecer novamente. Mas os pensamentos insanos com o sonho que tivera não permitiam. Sonhara com ele. De novo, com ele. Sonhara que o avistava à distância, acenava com as mãos e ele retribuía com um sorriso. E iam ao encontro um do outro. Ele, com aquele sorriso lindo que ela reconheceria em meio a milhares de outros. O sorriso lhe parecia ainda mais bonito, à medida que se aproximavam. Quando estavam a alguns centímetros de distância, e ela ia tocá-lo, despertou. Agora estava ali, inquieta em sua cama, com a imagem dele impregnando sua mente. O sonho parecera tão real que ela podia jurar que havia sentido seu cheiro. Com completa falta de sono, olhou novamente o relógio: Três e 45 da manhã. Deu-se por vencida e levantou. Abriu a porta dos fundos da casa e saiu para o quintal. Era outono, mas estava um frio incomum para a época. O ar gélido e úmido da madrugada eriçou de imediato os pêlos de seu corpo. Ela respirou profundamente e sentiu o ar frio adentrando suas vias aéreas. Olhou em volta e percebeu as inúmeras folhas amareladas caídas da goiabeira de seu imenso quintal. Só então se deu conta de que estava vestindo apenas uma camisola de seda leve. Sentiu frio. Mas um frio arrepiante e delicioso. Fechou os olhos e pôde sentir. Ah, como a madrugada a excitava. Aquele silêncio arrebatador, aquele frescor, aquele cheiro, que só a madrugada tinha... Quando abriu os olhos, viu a lua. Estava cheia e iluminada, com infinitas estrelas reverenciando-a e adornando o céu. Uma brisa leve e gelada começou a balançar sua camisola. Fechou os olhos novamente... e teve a sensação de que ele estava atrás dela... Tinha a incrível sensação de que ele a abraçaria a qualquer momento. E que seus braços largos e quentes seriam como uma manta, a aquecê-la naquela noite fria. O pressentimento era tão forte, que parecia que ele estava ali... Por alguns instantes, ela podia jurar que ouvia a respiração dele. Podia jurar que sentia o hálito quente em sua nuca. Seu coração acelerou e suas pernas começaram a tremer. Olhou assustada para trás. Nada dele. “Quanta bobagem”, ela pensou. Olhou novamente para a lua. Continuava linda, majestosa e iluminada. Parecia observá-la. Ainda nervosa, pediu e implorou aos céus que pudesse, algum dia, sentir o toque, tocar a pele, ouvir o riso. E o abraço, como queria senti-lo... "Ah... Se tivesse aquele abraço, me aquecendo nessa noite gelada... não precisaria de mais nada na vida", pensou. Suspirou profundamente e deu de ombros. Voltou para a casa, que estava quente e aconchegante. Fez um café e bebeu. Bebeu olhando pras fotos dele. Questionava-se sobre seus sentimentos. Seria loucura? Paixão? Amor? Ou apenas desejo? Olhou o relógio. Quatro e 30 da manhã. Terminou o café e deitou-se na cama. Teria que acordar em uma hora. Deitou, com o desejo ainda latente, tomando conta de seu ser. Dormiu sem dificuldades. Desta vez, um sono sem sonhos, sem loucuras, sem tormentos. Mas ela sabia que bastava acordar, para sonhar novamente. Ela tinha certeza de que ainda o teria. Não importava quem "ele" fosse. Haveria de ter um outro alguém que fizesse seu coração palpitar, seu rosto ruborizar e sua respiração ofegar. Haveria de ter alguém que a fizesse sentir euforia, alegria, eterna nostalgia. Haveria de ter alguém que fizesse seu corpo amolecer, sua mente enlouquecer e sua alma se encher de prazer. Haveria de ter alguém que tornasse um simples beijo o seu maior objeto de desejo. Haveria, haveria...

4 comentários:

Michele P. disse...

Haverá. Haverá.
O mundo é grande... Temos 1 universo, 8 planetas, 204 países, 809 ilhas, 7 continentes, 7 mares e 6 bilhões de pessoas! Deus deve ter separado alguma para você.
Sorria, Mi! :)

Beijão!

Michele P. disse...

PS: Esqueci de comentar o texto em si: maravilhoso, cheio de descrições e sensações!
Lindo!

Eraldo Paulino disse...

Muito bom!

Eu gosto detalhes. Gosto de ler e parecer que to vendo. Há muito disso aqui.

Bjs lá!

Maela disse...

Prticamente vivendo o texto.

Amei