sexta-feira, 13 de maio de 2011

O tal do sonho


O dia tinha sido cansativo e a dor de cabeça tinha aumentado ao longo do dia. Chegou em casa exausta, colocou as crianças na cama e, após fazer tudo que precisava, deitou no escuro absoluto, pra ver se a dor passava. Dormiu. Sonhou com pessoas que já passaram pela sua vida e com pessoas que nunca chegaram a passar. Pessoas especiais, pessoas que admirava, pessoas que amava, mas que, por motivos alheios à sua vontade, não estavam no seu convívio. Pessoas que a vida lhe tirou, pessoas que a vida nem lhe presenteou. Acordou chorando. Sim, chorando. "Quantas pessoas adultas acordam chorando?" Ela se perguntou. "Realmente, não devo ser normal.", pensou.

Mas quem disse que ela queria ser normal?

Um comentário:

Michele P. disse...

Muitas acordam, mas não assumem Mi!
Texto espontâneo, doce e gostoso de ler!
Me gustó! :)

Beijos