sábado, 14 de maio de 2011

Respeito é bom... e eu exijo!







Poucas situações são capazes de me tirar do sério. Eu definitivamente não sou uma pessoa estressada. Respiro fundo, me imagino envolta em uma luz violeta ou inspirando violeta e expirando cinza (hehe, aprendi com uma paciente e funciona, viu? Nada como o poder da mente!)... É muito difícil que algo seja relevante o bastante pra fazer com que eu perca minha calma e minha saúde. Bom, dei essa volta toda pra dizer que, apesar de ser difícil me irritar, existe algo que me deixa p... da vida. Realmente fico muuuito indignada com grosseria e falta de respeito.

Pensando bem, acho que a segunda é a causadora da primeira. Foquemos então na segunda. Não admito e não tolero falta de respeito, seja comigo, com a minha família, com os meus amigos ou com qualquer outra pessoa. O respeito e os bons modos deveriam ser ensinados às crianças ainda no útero materno. Deve ser o valor básico e essencial de qualquer ser-humano. Ao menos qualquer um que queira merecer essa denominação.

Não consigo entender pessoas que não respeitam o direito alheio, não respeitam vagas em estacionamento para idosos ou para pessoas com deficiência (aliás, desrespeitar idosos, deficientes físicos, crianças e gestantes despertam minha "ira assassina")... Como pode haver seres que não são capazes de entender que o outro tem sim suas diferenças, mas que tem exatamente os mesmos direitos como cidadão e merece ser respeitado, apesar de ser gordo, magro, alto, baixo, negro, branco, amarelo, índio, verde, rico, pobre, homossexual, heterossexual, bissexual, assexuado... o que for! O que é isso??

Gente, o respeito é fundamental. E respeitar a individualidade, a integridade, os desejos, a dignidade, o espaço do outro é essencial. Não importa se você nunca o viu na vida ou se você o conhece há 50 anos. Não importa se é mais velho ou mais novo, se é uma pessoa desconhecida ou é seu amigo, seu namorado, seu marido, seu filho, seu chefe, seu professor. Por favor, meus queridos, respeito, respeito!

Não, eu não entendo, não quero entender e vou morrer sem entender. Acho tão feio chamar pessoa idosa de "velho", por exemplo. Claro, não de brincadeira, chamando o pai ou o vô de meu velho ou o que o valha. Mas chamar de modo pejorativo me embrulha o estômago. Penso o mesmo para outros apelidos nojentos, como os dados aos gordinhos, aos baixinhos, à pessoa com necessidades especiais, às pessoas mais humildes... enfim, realmente ver uma pessoa (pff, pessoa?) humilhando e constrangendo outra me enoja e muito!

E grosseria, então? Também advém da falta de respeito e é pavoroso idem. O que custa tratar outra pessoa com educação, com "bom dia", "boa tarde", "boa noite"? O que custa tentar entender o motivo de alguma atitude que o desagradou antes de chegar com mil pedras na mão, ofendendo e julgando o outro, sem nem ao menos saber seus motivos? O que custa sermos mais tolerantes, mais pacientes, mais educados, até com quem não é conosco? Que tal começarmos por nós? E, quando alguém nos tira do sério, que tal falar siiiim tudo o que você pensa, mas de maneira civilizada, de maneira adulta? Pra quê tratar os outros com rispidez, pra quê gritar? Ta aí outra coisa que não entendo: pessoas que exigem respeito aos berros. Pra mim, se você grita, não importa seus motivos, já perdeu metade da razão.

Olha, não estou querendo dizer aqui que sou o exemplo da boa educação e que sou a moça mais fina, respeitosa e educada do globo terrestre. Não sou. Acabei de falar sobre um assunto que me faz perder os bons modos. De vez em quando falo palavrão, às vezes sou malcriada, às vezes xingo a mãe. Mas são coisas raras e eu me arrependo sempre.  Faço muita coisa errada, estou longe de ser santa e exemplo pra alguém. Mas em relação a uma coisa, eu posso deitar e dormir tranquila: eu te respeito. Ou ao menos tento te respeitar o maior tempo possível, apesar de ser humana e falhar às vezes. Respeito é bom e eu exijo!

Um comentário:

Michele P. disse...

Respeito é fundamental. Embora, confesso, nem sempre é possível mantê-lo. Há pessoas que nos tiram do sério. rs

Eu sou estourada, Mi. Não consigo controlar meus sentimentos. Sinto, reajo. Infelizmente.

Um abraço e bom FDS!