domingo, 19 de junho de 2011

A noite alta


Tenho fascínio pela madrugada.
Enquanto o mundo se encolhe, me expando.
Enquanto todos se acolhem, desencanto.
O silêncio da noite alta traz aos meus pensamentos o pranto.
E traz calmaria à minha tormenta.
Traz paz, me ilude, me alimenta.
A escassez de almas despertas faz agudizar as minhas dores.
O ar úmido e negro me faz relembrar alguns amores.
A madrugada me desnuda, me escancara, me entorpece, quase me estupra.
A ela, eu me rendo...
Aos poucos, vou me envolvendo...
Acontecendo... 
E finalmente, acabo adormecendo.

Um comentário:

Michele P. disse...

A madrugada é uma velha amiga de guerra.
Também piro com ela.

Texto maravilhoso, Mi! Com palavras selecionadas e bem organizadas. É um dos mais belos que já li aqui.