terça-feira, 23 de agosto de 2011

Estrada


Com passos apressados e sorrisos desastrados, ela conduz sua estrada.

Jura que viu. Jura que ouviu. Jura que provou. Jura que sentiu.

Olhar no horizonte. No horizonte, no horizonte...

Caminhando com rumo certo. Incerto?

Caminhou. Fadigou. Nunca chegou.

E a vida que a vida lhe deu...

Perdeu.

2 comentários:

Luna Sanchez disse...

A gente não pode viver de ensaios, tá certa tu.

Beijos, Mi.

Mirella de Oliveira disse...

Exato, Luna... A vida não é feita pra rascunhos. Vamos viver, mas viver de verdade. Erros e rabiscos fazem parte. Perfeição nunca haverá! Beeeijo