sábado, 13 de agosto de 2011

Vento, por que ventas?


 

Vento, por que tu te fazes música?
Ah, vento, ar em movimento...
Te vejo farfalhar, uivar, soprar...
Vento, ventas e inventas.
Brincando, tu apagas anseios, angústias, ausências...
Soprando, aumentas o ardor das alegrias, euforias e harmonias...
Vento, por que ventas? 
Por que brincas de soprar meu rosto?
Por que vens a mim com tanto gosto?
Por que me causas sensações a todo momento?
Por que me incitas a jogar palavras ao vento?
Ah, vento, vento, vento...



4 comentários:

Michele P. disse...

E depois quer me convencer de que não é poeta...
Texto suave, cheio do farfalhar do vento... me tranquilizou, quando li.

Maravilhoso!

Beijos

Mirella de Oliveira disse...

Não vale, não vale, você é amiga e amigos sempre vêem com os melhores olhos!

Hehehehehe

Agora, falando sério: Eu até me esforço, Mi... Mas quanto mais leio os outros blogs, mas fico extremamente surpresa ao ver TANTA gente de talento escondida, tantos verdadeiros poetas anônimos. E te incluo nessa lista, viu?

Obrigada por gostar desse texto amador.
Amo vento... Ele me provoca sensações indescritíveis!
Beijooos

Luna Sanchez disse...

Porque o ar em movimento nos convida a movimentos também.

Que bom!

Beijos, querida.

Mirella de Oliveira disse...

Luna,
É isso!! Que delícia, não é?? Beijãoooo