quarta-feira, 7 de setembro de 2011

O tempo, esse cruel...

Eu tenho uma fraqueza muito grande na minha vida. O tempo. Tenho uma relação tortuosa e atribulada com ele. Não gosto da ideia de envelhecer. Não gosto da ideia de ver as fases dos meus filhos passarem para sempre. Esse "para sempre" me assusta. O "nunca mais" (parente do "para sempre") também me assusta. Nunca mais ser criança. Nunca mais ser adolescente. Nunca mais experimentar as sensações inéditas de um momento pela primeira vez. Nunca mais ver os meus filhos bebês. Nunca mais vê-los crianças... Quando paro pra pensar nisso, me visto com uma sensação imensa de urgência, na ânsia de aproveitar cada segundo dessa vida sádica e fugaz! Mas por quê? Por que temos que viver os momentos apenas uma vez na vida? O tempo, e tudo o que ele traz, me parece cruel. O tempo carrega o que mais me amedronta no mundo: a morte. E a morte, por sua vez, carrega o "nunca mais" e o "para sempre" nas costas. Por que uma vida tão frágil? Por que os momentos são tão efêmeros? Por que tem que existir "para sempre" e "nunca mais"?

 
Deixo vocês com uma música que me faz pensar e me emociona (e inspirou esse post dolorido). É linda, vale a pena ouvir.

Oração ao Tempo, na voz de Luíza Possi:




És um senhor tão bonito
Quanto a cara do meu filho
Tempo tempo tempo tempo
Vou te fazer um pedido
Tempo tempo tempo tempo...

Compositor de destinos
Tambor de todos os ritmos
Tempo tempo tempo tempo
Entro num acordo contigo
Tempo tempo tempo tempo...

Por seres tão inventivo
E pareceres contínuo
Tempo tempo tempo tempo
És um dos deuses mais lindos
Tempo tempo tempo tempo...

Que sejas ainda mais vivo
No som do meu estribilho
Tempo tempo tempo tempo
Ouve bem o que te digo
Tempo tempo tempo tempo...

Peço-te o prazer legítimo
E o movimento preciso
Tempo tempo tempo tempo
Quando o tempo for propício
Tempo tempo tempo tempo...

De modo que o meu espírito
Ganhe um brilho definido
Tempo tempo tempo tempo
E eu espalhe benefícios
Tempo tempo tempo tempo...

O que usaremos pra isso
Fica guardado em sigilo
Tempo tempo tempo tempo
Apenas contigo e comigo
Tempo tempo tempo tempo...

E quando eu tiver saído
Para fora do teu círculo
Tempo tempo tempo tempo
Não serei nem terás sido
Tempo tempo tempo tempo...

Ainda assim acredito
Ser possível reunirmo-nos
Tempo tempo tempo tempo
Num outro nível de vínculo
Tempo tempo tempo tempo...

Portanto peço-te aquilo
E te ofereço elogios
Tempo tempo tempo tempo
Nas rimas do meu estilo
Tempo tempo tempo tempo...


5 comentários:

Michele P. disse...

Mi
Música linda e texto tocante. Não se preocupe com tempo. Dizem que há um para todas as coisas.

"Tempo de plantar e tempo de semear e tempo de arrancar fora..."

Um abraço

Anônimo disse...

Mais uma vez não podia deixar de comentar....

Quando vi o título: "Tempo, esse cruel" achei que iria ser MAIS UM reclamando da chuva e do frio dessa semana ou até das mudanças climáticas (não que não seja preocupante)...quase não abri o texto!!!

Eu estava pronto para escrever:
DEIXA CHOVER, DEIXA...

Mas para minha surpresa era para falar do "tempo" aquele mesmo da música do cazuza (eu acho)!!

Quanto ao "pra sempre" ou "nunca mais" é só tentar usar no momento adequado... Que você continue com o blog "para sempre" e que não pare de escrever "nunca mais" ... porque o tempo, o tempo não para Não para não Mirella.

Viu como não precisa ser de todo ruim?

Abraços do para sempre Anônimo!

Daniel disse...

eu já li texto assim... ou seria uma conversa...

Luna Sanchez disse...

O tempo também me dói, Mi...Muito e quase sempre.

Conheço a linda música, mas não vou ouví-la agora pra não chorar. Me perdoa?

Beijo grande.

Mirella de Oliveira disse...

Mi, difícil eu não me preocupar com o tempo, viu? Mas, como ele é inevitável, vou aprender a conviver bem com ele. Prometo! A música é maravilhosa, não é? Acalma e emociona. Beijo, Mi! :)

Anônimo, não reclamaria desse tempo aí que vc estava imaginando. Eu gosto MUITO da chuva, apesar de estar um caos aqui em SC! É, eu sei que o tempo não para, mas o "para sempre", na vida, sempre acaba, como diz aquela música da Cassia Eller! Então, lamento informar, mas não escrevei o blog "para sempre"! hahaha Obrigada pelo carinho (identifique-se! hahaha)

Daniel... Sim, já tivemos essa conversa! Obrigada por ter me apresentado essa música. Ela é maravilhosa, assim como você! Beijão

Luna, temos sentimentos parecidos, não é mesmo? Mas é claaaro que te perdoo, ela também me faz chorar! hehehe Beijo