quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Eu vou




Não gosto. Definitivamente, eu não gosto de sufocar meus sentimentos bons. E pretendo não ter que fazê-lo repetidas vezes na minha vida. Deixem que eu ame! Deixem que eu deseje! Deixem que eu pire! Deixem que eu queime, que eu arda, que eu seja deliciosamente consumida pelo tesão. Eu quero vida de verdade. Quero crise de riso, quero abraços apertados, quero lágrimas de emoção, quero realizar sonhos profundos, quero olhar nos olhos e dizer: eu não acredito que isso está acontecendo! Quero banho de chuva, quero tempestade, quero ventania cortante, quero o cheiro de café pela manhã, quero ler embaixo das cobertas, quero mais! Deixem que eu fale, escreva, grite, ligue, chore, ria, emocione. Eu decidi: eu vou. Como se estivesse pisando em ovos, sempre. Mas vou. Parar será sentença de morte. Não vou parar. Vou... e vou com o coração na mão direita, pulando como peixe fora d'água. Com a adrenalina correndo nas veias. Com o sorriso estampado na cara. Euforia e desespero. Eu vou, eu sempre irei. Os segundos correm, não dão trégua. E quem disse que eu darei trégua aos segundos?  Vou lutar enquanto respirar. Mais do que viver fisiologicamente, vou viver verdadeiramente. Vou sentir. Vou sentir absurdamente! Não tente jogar água no meu fogo, você não é capaz! Eu quero gasolina. Eu quero explodir em sentimento. Eu quero vida incandescente! Eu quero queimar. E eu vou conseguir... Eu quero e, mais do que isso: preciso.



3 comentários:

Vanessa disse...

Vai com tudo, Mi! ;)

Bjo

Michele P. disse...

Mi

E funciona viu? Estou comprovando! :)
Boa sorte, minha amiga.

Beijos

Luna Sanchez disse...

Que assim seja!

=)

Beijos, Mi!