quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

A menina



Em um dia desses, a menina caiu. E caiu feio. Como diz um autor que me foge agora... "Tombo feio de ralar o coração". Nesse mesmo dia, a mulher forte, guerreira e decidida recolheu-se. E a menina tomou conta. Frágil, pequena, inocente, imatura. Foi um dos piores dias da vida da menina. Sem exageros. E ela chorou. Chorou tanto, tanto, tanto. Chorou baixinho, molhando o travesseiro, soluçando em silêncio, entrando em desespero e esmigalhando o coração. A menina sentia-se só. Olhava seu telefone... Para quem ligaria? Deslizava o dedo pela tela do aparelho e não encontrava conforto em nenhum nome de contato. Em nenhum. Mentira... Haviam dois... Três? Pensou rapidamente na hipótese de ligar pra eles àquela hora da noite e não lhe pareceu uma ideia agradável. Ficou ali. Soluçando e despedaçando-se. Daria tudo por um abraço sincero. Daria tudo por uma palavra de conforto. Daria tudo para ouvir que era amada. Por quem quer que fosse. Uma amiga, seus pais. Seus filhos. Encontrou esperança no sono daquelas crianças. Lindos, saudáveis, carinhosos. Dormindo ali próximos. Analisou por um momento e sentiu-se muito mais indefesa do que eles naquele momento. Ao contrário daqueles pequenos, não havia nem resquício de luz naquela menina. Ela achou, de verdade, que iria enlouquecer. Adormeceu com o travesseiro úmido e acordou com os olhos inchados. Colocou seu melhor sorriso no rosto e foi à luta. Sorriu, conversou, alegrou-se de verdade. Viu pessoas lindas, que confiavam em seu potencial, que estavam ali porque depositaram em suas mãos a esperança de dias melhores. Melhorou. Um pouco. Ainda era a menina. Ainda não era a mulher. Um pouco mais tarde, tentou conversar com alguém. Um amigo de quem gostava (e ainda gosta) imensamente. Foi tratada como lixo. E, menina que é, não soube o que pensar a respeito. Mas hoje, vejam que alegria... A mulher está de volta! Linda, maravilhosa, decidida e forte. Dorme menina, dorme... Deixa que eu tomo conta do seu sono.

7 comentários:

Maela disse...

Mi, que delicia de texto!!!


Que os breves dias de menina não apaguem o mulherão dominante.

Michele disse...

Mi

Dizem que se não existissem os momentos de desespero, não saberíamos reconhecer os de paz e felicidade.
Que a mulher jamais apague a menina que exite dentro de cada uma de nós!

Beijosss

Eraldo Paulino disse...

Me deu vontade de por a menina no colo. E a mulher também.
Você é legal até quando é chata =)

Bjs!

Mi disse...

Mi

Um desafio para você. Aceita?
http://aumpassodeacordar.blogspot.com/

Beijosssssssss

silvioafonso disse...

.


Adorei o jeito moleque de es-
crever e a criatividade na
distribuição de cada assunto.

Vou seguir você, mas se você
seguisse o meu blog, eu juro
que sairia a dar pulos de a-
legria.

silvioafonso







.

Alline disse...

O máximo: quando menina e mulher andam de mãos dadas vida afora.

Beijo daqueles grandões, Mi!
Espero te ver em fevereiro... tá quase aí, visse? rs

Vanessa disse...

Mto tempo que não passo por aqui. Vergonha.

Volto a dizer, adoro o jeito como vc escreve. Lindo texto.

Que a mulher não apague a menina e que a menina possa crescer junto com a mulher. Caminhando em equilíbrio, cada uma com seu papel e seu brilho. Uma completando a outra, mas nunca sobrepondo-se.

Bjos