quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Tatuado


Faz tempo. Faz tanto tempo! Ela nunca esqueceu. Estava frio, muito frio. Das narinas, eram exaladas mornas fumacinhas brancas, que sumiam rapidamente em meio ao ar gelado. Ela estava ali, e era ali que queria permanecer. Para o resto da vida, era aquela companhia que a fazia vibrar. O cheiro, a pele morna, a barba áspera, o gosto do beijo. Ela desejava aquilo tudo. E tinha, naquele momento. Estavam na rua. Só o céu servia de abrigo para seus corpos. Só ele era testemunha daquela euforia. Suas mãos frias adentraram aquele casaco masculino. E percorreram aquele corpo quente. As mãos quentes dele eram indiferentes à baixa temperatura. Abraçavam-na com força e com desejo. Passeavam pelo seu corpo enquanto ela era lentamente conduzida e embriagada pelo melhor beijo do mundo. O momento, eterno que era, passou. Anos e anos passaram desde então. O momento, eterno que era... eterno ficou. Naquele útero, tatuado pra sempre aquele amor. Duas vezes, para não ter erro. O corpo quente, esfriou. As lindas mãos, imobilizaram-se. O beijo cessou. Mas ele ficou. Tatuado na retina, no ventre e na mente. 



2 comentários:

Michele disse...

Que bonito...
Foi baseado em fatos reais? :)


Bjs

Mirella de Oliveira disse...

O que você acha, Mi?

:D