quarta-feira, 14 de março de 2012

Aniversário doloroso

Hoje é o dia de aniversários. 
Aniversários de despedidas. 
Despedidas eternas de pessoas queridas. 
Queridas em vida, queridas na morte.
Morte lenta. Morte súbita.
Súbitas mudanças, triste fim de duas vidas.
Meu avô. Meu amor.
Um ano sem um. Cinco, sem outro.
O pai da minha mãe. O pai dos meus filhos.
Bem me lembro destes dois homens.
As piadas do meu avô. As risadas do meu amor.
A vida segue seu trajeto.
Mas a morte não deixa pra trás quem amamos...
Eles seguem conosco, na lembrança.
Quem tem memória nunca perde o que tem valor.



Essa é pra eles. Essa é por eles. Escuto, o coração bate mais forte... e sorrio.




(Tradução)

Sim, eu entendo que toda vida deve acabar
Enquanto nos sentamos sozinhos, 
sei que algum dia nós também devemos ir
Oh, (eu) sou um homem de sorte, por contar em ambas mãos as pessoas que amo...
Algumas pessoas só tem uma, outras, não tem nenhuma

Fiquei aqui comigo...
Vamos apenas respirar...

Pratiquei todos meus pecados, nunca me deixarão ganhar
Por baixo disso tudo, apenas outro ser humano
Eu não quero magoar, há tanto nesse mundo para me fazer sangrar

Fiquei aqui comigo...
Você é tudo o que vejo...

Será que eu disse que preciso de você?
Será que eu disse que quero você?
Oh, se eu não disse, sou um tolo, veja você
Ninguém sabe disso melhor que eu

Enquanto eu saio ileso...
Me pergunto todo dia, enquanto eu observo seu rosto
Tudo o que você deu
E nada que você guardaria, oh, não

Nada que você levaria
Tudo o que você deu...

Será que eu disse que eu preciso de você?
Será que eu disse que eu quero você?
Oh, se eu não disse, sou um tolo, veja você
Ninguém sabe disso melhor que eu
E eu saio ileso, ah...

Nada que você levaria
Tudo o que você deu
Abrace-me até eu morrer
Encontro-lhe do outro lado.


Nenhum comentário: