segunda-feira, 25 de junho de 2012

Os meus


Eu quero os que não se cansam de mim. Quero os que aguentam a minha chatice, as minhas rabugices, as minhas ideias fixas, os meus pensamentos nem sempre politicamente corretos, as minhas atitudes nem sempre dignas... Quero nada menos do que quem me ama na minhas imperfeições. Quero somente e tão somente os que sabem que, para cada defeito e cada podre, tenho duas ou mais qualidades e delícias. Eu quero os que discordam de mim se for preciso, os que se estressam comigo, os que, por isso mesmo, me amam na raiva... Mas que não largam mão de mim. Eu quero, repito, quem não se cansa de mim. Quero aqueles que, mesmo sabendo que eu estou errada, mesmo acreditando piamente no meu erro e na minha atitude imatura, ainda assim teimem comigo. Argumentem, briguem comigo, me batam na cara, me chacoalhem! Mas que se importem comigo. Quero aqueles que veem o brilho em outros olhos, encantam-se com novas coisas... Mas que nunca, nunca, nunca me deixe ofuscar. Quero os que discutem comigo. Quero os que jogam no vento as palavras dolorosas que preciso ouvir, quero os que não têm dó, os que não têm meias palavras, os que não têm meias verdades... Quero os "todo ouvidos". Porque eu sei que, enquanto você me ouve, enquanto você me bate, enquanto você me sacode e me faz ver, há carinho, há real preocupação, há amor... Mas e quando você silencia? Ou quando diz "eu não me importo" ou "tanto faz" ou "eu não conheço você" ou "cansei"? Quando isso acontece, o que há? Há descaso. Há indiferença. Há baldes e baldes de água jogadas na fogueira. Não há nada.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Tu, teu...


Abdico de ti
Para que assim,
Possas ser teu...
Penso em ti
Para mim
e não para ser meu.
Fito a boca
Louca, fico
Anjo, amigo...
Estejas tu, contigo.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Será que você consegue?


Amar... como eu mereço. Do jeitinho que eu faço. Você consegue? Retribuir na mesma quantidade e qualidade que eu? Será que você consegue aguentar as minhas ideias, as minhas opiniões e a minha neurose com meu corpo? Será que consegue entender que tenho uma tendência a procrastinar e à baixa autoestima? Será que aguenta a contradição em mim que me faz não gostar de me expor, mas gostar de ser notada? Será que consegue entender que sou romântica, mas detesto melação? Será que consegue entender que o fato de eu gostar de sexo não quer dizer que eu vá te trair? Será que consegue aguentar o fato de que nem fodendo eu vou te trair? Será que você consegue suportar o fato de que sou introvertida por fora e extrovertida por dentro? Será que aguenta ser realmente amado? Será que merece e segura o tranco de uma mulher de verdade e totalmente imperfeita? Será que aguenta o melhor de mim? Será que aguenta ser o amor da minha vida? Será que aguenta meus defeitos a ponto de merecer minhas qualidades? Por favor, se titubeou, não me ame. Se pestanejou, dê meia volta e tome seu rumo. Suma. Apesar de todos e dos inúmeros pesares, eu acho que não mereço meio-amor.




Tire suas mãos de mim

Eu não pertenço a você
Não é me dominando assim
Que você vai me entender
Eu posso estar sozinho
Mas eu sei muito bem aonde estou
Você pode até duvidar
Acho que isso não é amor

Será só imaginação?

Será que nada vai acontecer?
Será que é tudo isso em vão?
Será que vamos conseguir vencer?

Nos perderemos entre monstros

Da nossa própria criação?
Serão noites inteiras
Talvez por medo da escuridão
Ficaremos acordados
Imaginando alguma solução
Pra que esse nosso egoísmo
Não destrua nossos corações

Será só imaginação?

Será que nada vai acontecer?
Será que é tudo isso em vão?
Será que vamos conseguir vencer? 

Brigar pra quê

Se é sem querer
Quem é que vai nos proteger?
Será que vamos ter
Que responder
Pelos erros a mais
Eu e você?
(Será- Legião Urbana)


sábado, 9 de junho de 2012

Sou eu. Comigo mesma.


E é isso, me afasto. Do quê exatamente, não sei bem. Mas vou ali e volto logo. Vou me buscar. Me rebuscar. Sinto-me despedaçada, totalmente defasada e com o tempo irremediavelmente perdido. E não triste! Não, não, repense! Não estou triste e nem perto disso. Estou sóbria, feliz, sou minha. É, sou minha. Tão, tão minha! Estou sã e vou me rebuscar. Ouvir minhas músicas, ler meus livros, estudar, aperfeiçoar minha profissão. Cuidar um pouquinho mais de mim e dos meus. Cuidar sim, de mim como um todo. Quero ter-me só pra mim por um tempo. Sigo amando os meus. E eles sabem quem são. Você sabe se é 'dos meus'. Você sabe se é do seleto time dos que têm meu amor. Nunca deixarei dúvidas do meu amor por ninguém. Meu amor ora ilógico, ora previsível, ora puro, ora sem-vergonha. Mas sempre verdadeiro. Sou todinha feita de amor. Sou todinha cheia de sentimentos. Sou todinha feita de muitas de mim. Sou humana. Sou do bem. O que não quer dizer que não erre e que me não perca às vezes. O que não quer dizer que às vezes não seja uma chata e que mendigue atenção. Eu amo e sou inteira... Mas às vezes me envergonho do que faço. E que se dane! Ao menos eu dei a cara a bater e fiz! E falei e desabafei e mergulhei e tentei e saciei minhas vontades. Dito e feito. Que orgulho eu tenho de mim! Pensando bem... tempo irremediavelmente perdido? Não, acho que não. Tempo vivido, aprendido, surrado e calejado. E lindo. Então é isso, vou ali e volto logo... 



Escrevi ouvindo a emoção do Wagner Moura cantando Via Láctea. Se desafinou, nessa eu nem percebi. A música foi composta por Renato  Russo no fim de sua vida. Tão cheia de sentimento, tão cheia de verdade... parabéns, Wagner, você cumpriu o seu papel. E eu me emocionei com você.





♪ Quando tudo está perdido
Sempre existe um caminho...
Quando tudo está perdido
Sempre existe uma luz... ♪


Por aqui não está "tudo" perdido. Entre perdas e ganhos, há superávit. Fiquem bem.