quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Hoje tá foda


Hoje tá foda. Hoje eu quero me esconder ainda mais. Quero mergulhar ainda mais fundo dentro dessa lama protetora que me envolve. Dentro dessa gosma melequenta e repulsiva que criei e nutri esses anos todos pra esconder minhas vergonhas. E pra esconder minhas maravilhas. Sim, elas também. Se mostrasse a segunda, haveria de mostrar a primeira. Não estava e não estou preparada. Hoje me sinto especialmente mal. Um lixo completo. Feia, gorda, desinteressante, preguiçosa, comodista, sonhadora... uma completa idiota. Convivo diariamente com pessoas com quem não compartilho nenhuma visão sobre a vida... e não, não vejo meios no momento de me afastar. Não há. Tenho de suportar, de cabeça baixa. Indigna. Idiota. Odeio o que vejo no espelho. Odeio o que fiz de mim até o momento. Odeio o fato de ter me trancado tanto, tanto, tanto dentro de mim, que hoje, se eu sumir por uma semana ou mais, poucos sentirão a minha falta. E sentirão depois de um bom tempo. E vão sentir e vai passar loguinho. Hoje tá foda ter que admitir isso. Hoje tá foda ter que me expor desse jeito. Talvez eu não publique. Mas só talvez. Porque, se tá foda, então vamos meter o "foda-se" de uma vez. É uma pena que hoje eu não venha inspirada. Esse blog já foi tão bonito! Já me encheu tanto de alegria. Já escrevi textos dos quais tanto me admiro! Mas hoje, retrocedendo em minha memória, vejo que talvez tenha sido uma alegria ilusória. Tola, como sempre fui, desde criança. Sentar a bunda nesta cadeira e escrever não resolve meus conflitos. Não resolve a minha vida. Não me reorganiza. Não. Hoje eu choro aqui. Não que isso importe. Não que isso te toque, leitor imaginário. Não. Choro do que fiz de mim. Choro de dor de garganta. Choro com febre. Choro- vai saber?- pelo inferno astral em que me encontro. Choro porque tanto amei quem tanto recusou. Choro porque nas vezes em que me olham com desejo, tenho devolvido com repulsa. Porque não me sinto bem em mim. Não posso me dar ao luxo de ser feliz. Não me permito. Choro porque afastei pessoas na mesma velocidade em que me afastei de mim mesma. Choro porque queria uma vida e só sonhei com ela. E sonho não te faz feliz. Sonho não enche barriga. Sonho é pra realizar. Eu nunca tive uma vida. Eu sempre procrastinei a minha felicidade. Sempre posterguei meus suspiros. Não, não me olhe com desejo... tenho medo. Não quero. Eu tenho medo. De nunca conseguir voltar à superfície. Mais medo ainda porque nem sei se um dia cheguei à mesma. E porque tenho certeza que terei de fazê-lo sozinha. Por falta de mãos pra alcançar. Sim. Mas também porque sei que me recusarei a segurar qualquer rara mão que, porventura, tentar me alcançar.

2 comentários:

Mensagem Efêmera disse...

Todo mundo tem direito a dias de revolta. :)

Michele Pupo disse...

Prezada amiga

Não sei bem como iniciar esta carta. Bem, você me conhece... quando começo, não paro mais. Gostaria tanto de poder lhe fazer bem, de lhe dizer coisas bonitas e que lhe animassem...
Existem pessoas que nos são tão importantes, mas nem sempre conseguimos demonstrar nossa afeição da forma como gostaríamos. De qualquer maneira, vou tentar dizer-lhe o que penso... Melhor! Vou dizer-lhe o que deve pensar!
Pare de se martirizar! Todo mundo sente falta de algo que nem sabe bem o que é. É o preço que se paga por desejar a felicidade.
Aqui faz frio e chove e eu adoraria ter uma companhia, uma família e um bebê rechonchudo no berço para embalar... No entanto, estou aqui, pensando na viagem das férias e do quanto vamos nos divertir.
Sabe... acho que no fim das contas, o que importa são os pequenos momentos.
Você tem coisas que eu gostaria de ter e aposto que você olha para minha vida e sente uma pontinha de inveja, às vezes. Somos imperfeitas, como todo mundo.
O que não podemos é perder a esperança. A vida é dura e a gente cansa. Eu sei. Mas não lhe deixem roubar a alegria.
Você diz que não gosta do que vê no espelho.
Desculpe-me, mas devo lhe perguntar: você consegue ver sua persistência, seu caráter, seu carisma e afeição no reflexo? Enxerga seus olhos meigos e seu sorriso triste, mas belo?
Conheço garotas que não chegam aos seus pés e que se sentem maravilhosamente bem. Sabe porque? Porque conseguem se admirar.
Não se deixe entregar. Não se torne exageradamente crítica com relação a si mesma.
Aposto que você dá muitas chances aos outros. Mas e a você? Quantas deu nos últimos anos?
Agora vai lá: vista seu maior sorriso e sua mais bela coragem e deixe de se lamentar.
O universo conspira a nosso favor.
Acredite.
E ó? Mesmo de longe eu te acompanho tá? Em oração e com o coração.
Fica bem que eu também fico.
Boa noite.
Um abraço carinhoso,
sua amiga
Michele P.

(Foi escrita em junho de 2012. Mas continua valendo)