terça-feira, 27 de agosto de 2013

Nove anos

São quase três. Ele já foi dormir. Apagou rápido de tão cansado. E eu fiquei aqui, elaborando uma lista do que ele tem a fazer pra terminar o trabalho a tempo... Fico aqui pensando se tanto esforço vai realmente fixar conhecimento... se o fato dele ter ficado hoje de manhã decorando quais palavras são com g e com j e mais um monte de decoreba realmente vão resultar em conhecimento do bom... daquele que fica, que agrega, que faz ser um indivíduo melhor, preparado pro mercado de trabalho e pra vida, sabe? Aí eu vejo que cobro, mas cobro para que cumpra com o que pede o "sistema"... Não quero isso. Quero que meu filho pense. Quero ensiná-lo a pensar. Então vejo que não estou tão errada, pois se cobro que estude o g e o j que pede a escola, por outro lado eu compro o livro que ele tanto queria... Porque o que eu sei da vida é que é assim que se aprende a nossa língua... É lendo, e não decorando... E eu penso tudo isso agora, enquanto recorto figura e limpo a sujeira da cola do trabalho sobre o barroco brasileiro... vocês estudaram isso, né? Ainda lembram? Pois bem no fundo do meu coração de mãe eu espero que esse trabalhão de hoje, que fez meu menino de 9 anos dormir às 2 bem no dia do seu aniversário, sirva pra que ele ainda lembre do barroco lá quando tiver seus 30. Ah, as mães e seus corações de menina sonhadora! É. Acho que vou terminar de limpar tudo, tomar banho e ir dormir minhas duas horinhas, já que logo mais tenho que acordar, trabalhar, ser mulher-mãe... por eles... por esse menino que me fez virar mãe com 18. Por esse príncipe Dourado, que me assustou por estar tão fora dos meus planos de vestibulanda... E que logo se redimiu por me fazer mais forte, por me fazer madura e leoa ainda cedinho. Que me deu força e saúde pra enfrentar o vestibular, sim!, a faculdade, sim! E ser mãe ao mesmo tempo, SIM! Te amo, meu menino. Nove anos, nem acredito! Te amo, com um amor tão puro, que nem chega aos pés de qualquer palavra humana.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Insights


Descobri que sou uma tímida que gosta de plateia.
Descobri que sou uma acomodada que acha uma delícia sair da zona de conforto.
Descobri que sou uma romântica sem-vergonha.
Descobri que sou pisciana... mas com pimenta.
Descobri que sempre construí um mundo ballet-valsa-cor-de-rosa e que recentemente tenho desfeito tijolo por tijolo e construído um outro mundo ao lado, um mundo capoeira-rocknroll-vermelho sangue.
Descobri que sou corajosa. E tenho medo. Que sou a tal. E sou insegura. Que sou inteligente. E bem burrinha. Que me gosto. Que me odeio.
Descobri que ainda tenho um monte de mim para eu descobrir. E que temo nunca ter fim. Prazer, sim.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013